Todas as postagens desse blog, são de inteira responsabilidade do colaborador que a fez e refletem apenas a sua opinião.
Caso você tenha interesse em colaborar com esse Blog, por favor, envie uma mensagem para redator@ame-rio.org

domingo, 25 de dezembro de 2011

sábado, 24 de dezembro de 2011

O melhor presente de Natal!


Desde criança somos envolvidos pela magia do Natal, e em nosso imaginário acontecem sonhos desse ou daquele presente.
A idade chega, o passar dos anos nos torna mais sábios, e muitas fantasias caem, mas essa eterna magia permanece.
Este ano sinceramente não sonhei com nenhum presente, entretanto a Mãe Natureza incumbiu-se de presentear-me com um presente inesquecível e que emocionou-me na manhã dessa quinta-feira, dia 23 de dezembro de 2011, portanto vésperas do Natal.
Viajei e fiquei três dias fora retornando ontem.
Na manhã de hoje, molhava as plantas do quintal onde mantenho meu meliponario urbano com diversas caixas de uruçú nordestina, jandaira, mandacaia, asilvai, Scaptotrigona, mocinha preta, uruçú amarela do Planalto Central e mandurí do Mato Grosso, e uma única caixa de jatai (nome científico: Tetragonisca angustula) que diferente das demais fica na frente da casa.
Notei, então, que uma velha caixa onde habitou um fraco enxame de jandairas que morreram meses antes e que simplesmente larguei sobre um velho tanque encostado na parede da edícula dos fundos, havia intenso movimento de abelhas jataís!
Parei tudo e fiquei analisando - estavam construindo freneticamente uma entrada no buraco ceroso de cera alveolada que uso passar sobre a capa de serragem que coloco nos protetores de garrafa pet nas entradas de minhas caixas.
Inicialmente pensei que estavam saqueando ou tampando mesmo buraco de entrada... mas depois tive certeza de que estavam construindo o canudinho de cerume comum nos enxames da espécie.
Movimentação das jatais na entrada da caixa:


Isso demonstra que a tese entre alguns meliponicutores que defendem ser mais atrativo para caixas-iscas o uso de material oriundo de enxame da espécie pretendida na captura, seja restos de cera ou cerume e própolis diluido etc. é relativa. A caixa-isca de madeira que foi apoderada pelas jatais tinha material exclusivo de Melipona subnitida, jandaira... e a jatai, Tetragonisca angustula, do grupo Trigonini não se importou com isso.
Tenho nessa experiência o meu melhor presente de Natal! ...principalmente porque esta é minha primeira captura de um enxame de abelha indígena. E todos aqueles que já experimentaram isso, concordarão comigo de que trata-se de uma experiência inesquecível.
Aproveito para externar a todos os leitores boas festas natalinas e um Ano Novo repleto de boas realizações!

Do autor: José Luiz da Silva Vieira (texto e fotos) - é meliponicultor residente em Cuiabá - Estado de Mato Grosso, desenvolve estudos sobre adaptabilidade de abelhas indígenas do semi-árido (caatinga) da Bahia e Paraíba (nordeste do Brasil) no cerrado matogrossense (centro-oeste brasileiro).

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Interação de Iraís com formigas

Amigos da AME-RIO e Internautas.

Há algum tempo nossa diretora de Patrimônio, a Julia Galheigo, vem pedindo para que seja feita uma postagem, mostrando a interação estranha que acontece com as abelhas de uma colônia de Iraís (Nannotrigona testaceicornis), que está localizada no pátio da escola onde a Júlia trabalha, a Escola Técnica Estadual República, do Rio de Janeiro.


As abelhas fizeram seu ninho no chão da quadra de esportes que, naquela escola é cimentado, mas através de uma fresta no concreto elas devem ter chegado em algum oco abaixo do calçamento e aí conseguiram desenvolver uma colônia. Apesar de pisada a toda hora e de volta e meia ter seu pito arrancado ou fechado pelos alunos da escola, essa colonia já está alojada ali, há mais de dois anos.

A Julia nos disse que as iraís são bastante intrigantes e que a cada dia fico mais surpresa ao observá-las, principalmente pela simbiose que elas mantém com as formigas. As duas espécies parecem conviver plenamente, principalmente no inverno, estação em que as abelhinhas alimentam as formiguinhas. "Não sei dizer se o pólen que elas fornecem para as formiguinhas já está processado... enfim, só sei que elas trazem as bolinhas de pólen de dentro da colônia e entregam no lado de fora para as formiguinhas e estas carregam as bolinhas de pólen oferecidas pelas formiguinhas, em contrapartida, nenhum outro inseto ou seja lá o que for, chega perto das abelhinhas, porque estas formiguinhas fazem carreiro por perto e sempre estão protegendo as abelhinhas. É super interessante ver isso ao vivo.Com isso as crianças lá da escola aprenderam o que é simbiose e olhe que eles só tem de seis a oito anos. E elas estão aprendendo a não mexer nas fomiguinhas, porque são amigas, principalmente agora no inveno. Isso é uma lição de vida".



Espero que vocês tenham gostado do vídeo que a Julia gravou. Ela nos disse também que tem algumas bolinhas desse pólen e que gostaria de levá-las à laboratório para ver o que são na realidade (se são só pólen ou se tem algum fungo ou outra substância agregada); se alguém se dispuser a fazer isso, ela pode enviar via correio.

Ela também nos contou que ganhou uma isca em garrafa PET e levou para a escola, pois um outro enxame de Iraís estava já uns três dias no mesmo local, em um muro da escola. Ela levou a isca preparadinha para elas e fez um pito, de cera delas mesmo. Moral da história, no dia seguinte, as formigas foram lá para dentro e fizeram aquela crosta com as Iraís. A Júlia disse que pelo que ela viu, as abelhas trazem a resina a e as formigas fazem o revestimento. Enquanto elas estavam no muro ela não estava entendendo bem e só depois da PET é que chegou a essa conclusão. Porque no muro as formigas ainda tinham que abrir um buraco para as abelhas morarem, as formigas é quem tiram a terra, aí entra o trabalho conjunto das formigas com as abelhas, preparam o batume que vai separar os ninhos de ambas. Depois as abelhas sustem o formigueiro, conforme o filme que ela fez do chão da quadra com elas.

Estamos aguardando alguém que possa ajudar a Júlia a levar o pólen que as Iraís oferecem para as formiguinhas, a um laboratório. E também que possa explicar melhor a interação entre as Iraís e as formigas.

UGA
Redator AME-RIO

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Edital de Convocação - Assembleia Geral Ordinária - 21/01/2012



ASSOCIAÇÃO DE MELIPONICULTORES DO RIO DE JANEIRO – AME-RIO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO
Assembleia Geral Ordinária
28/01/2012



O Presidente da AME-RIO convoca os Srs. Associados para a ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA, a ser realizada no dia 28 de janeiro de 2012, sábado, na Escola Wenceslao Bello, Av. Brasil nº 9727, Penha, Rio de Janeiro/RJ, às 9:00 horas em primeira convocação ou, na falta de número legal, às 10:00 horas em segunda e última convocação, com 1/3 (um terço) dos associados quites e em pleno gozo de seus direitos, a fim de deliberarem sobre a seguinte ordem do dia:

1) Registrar em Ata o nome e a identificação do atual presidente da AME-RIO, Sr. Andreas Zoltan Dako, para os devidos fins legais;
2) Aprovação do parecer do Conselho Fiscal sobre os balancetes da Diretoria e demonstração do resultado posicionados nas datas-base de 27/10/2011; 18/11/2011 e 31/12/2011;
3) Eleição de membro suplente para recomposição do atual Conselho Fiscal, com mandato até completar o biênio 2011/2012;
4) Alterar o estatuto da AME-RIO com inclusão de item para definir a quem compete substituir o vice-presidente nos seus impedimentos ou a quem cabe sucedê-lo no caso de vacância do cargo;
5) Alterar o estatuto da AME-RIO quanto à composição da diretoria (art. 4º), com a inclusão da Diretoria de Divulgação, bem como estabelecer suas atribuições;
6) Alterar o estatuto da AME-RIO para incluir mais atribuições à Diretoria (art. 6º) visando formular Plano Anual de Atividades;
7) Reexame da decisão da AGO de 09 de janeiro de 2011 que alterou o estatuto da AME-RIO com a inclusão de novas categorias de associados;
8) Formação de comissão de associados com a finalidade de revisar e consolidar o Estatuto da AME-RIO;
9) Concessão de títulos de associados honorários às pessoas indicadas pela Diretoria, para que integrem o Conselho de Ciência da AME-RIO;
10) Assuntos gerais.

As pessoas, que comparecerem na qualidade de representantes de Associados, deverão apresentar as respectivas procurações com firmas reconhecidas (exigência do Código Civil, art. 654, §2º).
Ficam os Associados ou seus representantes cientes de que somente poderão votar nas deliberações da ASSEMBLEIA e dela participar aqueles que estejam em dia com o pagamento de suas contribuições sociais.

Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2011


Andreas Zoltan Dako
Presidente da AME-RIO

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

III Concurso Nacional de Méis

Amigos da AME-RIO e Internautas,

Nesse último sábado, 10/12/2011, ocorreu a reunião de confraternização anual da AME-RIO. Nesse encontro tivemos o III Concurso Nacional de Méis e os presentes tiveram a oportunidade de provar cada um desses méis.

Toda a organização de concurso, como não podia deixar de ser, ficou a cargo do Pedro Paulo Peixoto, nosso Ex Presidente e idealizador desse concurso. Para a aferição oficial foi convidado especialmente o Dr. Rogerio Marcos de Oliveira Alves, professor e pesquisador da UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.




Enquanto o professor Rogério analisava cada um dos méis inscritos no Concurso, os associados se reuniram para colher e degustar logo depois méis de colônias do meliponário escola.



Mas não foi só o professor Rogério que se deliciou com esses méis, todos os presentes tiveram a oportunidade de provar de cada um deles e depois de uma criteriosa análise também fizeram sua escolha do melhor mel do concurso.




Os associados provaram de cada um dos méis inscritos e depois puderam repetir a prova, dos méis que mais lhe agradaram, quantas vezes quisessem, até ter a sua opinião formada.




O Pedro Paulo ainda não divulgou a planilha oficial de julgamento, mas já sabemos que: a escolha do melhor mel feita pelo juiz oficial, coincidiu com a escolha feita pelos associados presentes.

O Campeão do III Concurso Nacional de Méis (Edição 2011), foi um mel que veio lá de Manaus, especialmente para esse concurso, é o mel de abelha Jupará, Mellipona compressipes manaosensis, não temos ainda o nome do meliponicultor, mas vamos divulgar aqui, assim que o Pedro Paulo distribuir a relação exata dos méis concorrentes. No dia esse era o mel Nº 4.

No julgamento popular esse mel de Jupará ficou empatado com o mel Nº 1, que também veio de Manaus e era um mel de Jandaíra, mas como veio do Amazonas não deve ser a mesma Jandaíra do nordeste.   Também aguardamos a relação de méis inscritos e dos meliponicultores, para divulgar a relação completa dos classificados pelo julgamento popular.


Mas o professor Rogério não ficou só no julgamento dos méis, a parte mais importante de sua visita ficou reservada para a tarde, a transmissão de conhecimentos. 




O professor Rogério, nos contou o que estão fazendo na Bahia, em matéria de pesquisa sobre meliponicultura, nos ofereceu uma ótima palestra sobre a criação de meliponas para a produção de méis e a exigência de pasto meliponícola apropriado. Hoje na Bahia, em todo o projeto de produção de mel que tenha financiamento público, a plantação de pasto meliponícola é uma exigência. Nosso convidado também fez uma apresentação sobre as abelhas encontradas na Bahia e nos mostrou uma série de imagens de Meliponários.


A AME-RIO ofereceu ao professor Rogério um título de sócio honorário e ele aceitou integrar o nosso Conselho de Ciências. 

A mesma honraria foi oferecida ao nosso associado Waldir Ribeiro Osório, pesquisador de pasto apícola e meliponícola.


Nesse dia também tivemos o prazer de recepcionar o amigo Heráclito Sette, que veio de Brasília para acompanhar a nossa reunião e trouxe um delicioso mel de Jataís para ser degustado. Desde sábado, o Heráclito é sócio efetivo da AME-RIO.


Foi um ótimo dia.

UGA,

José Halley Winckler


Rogerio Marcos de Oliveira Alves
Engenheiro Agronômo pela Universidade Federal da Bahia (1983), Licenciatura Plena pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1984), Mestre em Ciências Agrárias pela Universidade Federal da Bahia (2004) e Doutor em Ciências Agrárias pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (2010). Cursando Pós-Doutorado na UFRB 2011. Professor do IF Baiano desde 1983. Tem experiência na área de Zootecnia e Fitotecnia, com ênfase em manejo de animais e cultivo de orquídeas, atuando principalmente nas áreas: meliponicultura, apicultura e cultivo de orquideas.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

CURSO DE MANEJO DE ABELHAS SEM FERRÃO - 2O12 - Primeira Aula

Uma estória real e engraçada que ocorreu na AME-RIO:

CERTA VEZ, num encontro da AME-RIO , chegou uma PROFESSORA de TERESÓPOLIS, RITA, desejava ser sócia e se tonar meliponicultora.....

Ótimo,... teríamos mais uma meliponicultora no pedaço,

Já inscrita, estávamos todos da AME-RIO fazendo manejo de uruçu amarela, praticando ao vivo, uma divisão.

Ao retirar o disco mater, o que provavelmente originaria a rainha, passei-o as mãos da Rita e perguntei:

- sabem quantas abelhas nascerão deste disco? 

Nem ela, nem nenhum dos presentes tentou responder a pergunta. Em sequência,  para que ficasse  dentro do contexto, eu disse à jovem professora:

- Pode contar!

A Rita muito assustada imediatamente respondeu:

- Mas,  TUDO ISTO, professor ?

Com papel e lápis, a professora pacientemente contou.... e errou. Eu  sentei-me ao lado e ensinei-lhe a MANEIRA RÁPIDA DE  contar células em um disco de postura, com a mesma paciência contei 507 células (vejam que a memória ainda é boa), ela aprendeu a contar e eu tratei de arranjar mais dois discos, para que fizessem uma população  de 1200 a 1500 abelhas. NECESSÁRIAS  às substituições das 6000 campeiras que estavam sendo passadas ao jovem enxame e que, na maioria, estariam mortas dentro de 50 dias.

Muita gente acha um grande feito, fazer um novo enxame com um disco apenas,  ou mesmo sem nenhum disco, mas não é. Estaremos gerando um novo enxame carente, onde precisaremos oferecer alimento, reforço de discos de cria, etc, etc, só corrigindo um erro inicial. 

Então os meus alunos e eu próprio  aprendemos a avaliar cada disco, com erro não maior que 10%, sem mais precisar contar, mas até hoje, conto as células dos discos no computador e, não raro, no dia seguinte dou mais um disco ao jovem enxame....

E é isto que lhes estou pedindo e saibam que nunca mais esquecerão o número de células de um disco de primavera, de um enxame saudável de mandaçaias.
Dificilmente encontrarão outro maior em enxames normais... vejam que interessante.

Este trabalho, no curso, faremos em 5 minutos, em cada espécie estudada, cinco minutos que nos ajudarão pro resto da vida de meliponicultor...um item básico para avaliar corretamente as expectativas de uma desdobra em qualquer caixa racional.

No disco da foto esta gravado nome da Julia, mas a pergunta é para todos.

Vamos ver quanto tempo demora para saber quantas células tem cada um dos discos das fotos. No computador é mais fácil, mas continua sendo importante a tal contagem de avaliação.

Muitos são veteranos, fizeram dezenas de multiplicações e nunca contaram um só disco.

Garanto-lhes, ou tiveram muita sorte, ou aprenderam uma maneira de avaliação com seus próprios erros,  ou muito trabalho para vingar seus enxames.

Abraços.

Pedro Paulo Peixoto
meliponario-escola



Associados da AME-RIO e Abenautas de todos os estados, que queiram inscrever-se neste Curso pela internet, poderão fazê-lo ate o dia 20 de dezembro de 2011, diretamente no email:


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A primeira vez a gente não esquece

Ontem eu fiz a minha primeira coleta de mel no meu meliponário, foi na caixa de Uruçu Amarela do Projeto Meliponário Solidário da Ame-Rio, uma das primeiras divisões e a única que eu não alimentei no inverno, não para colher mel, mas como pesquisa para ver como elas se comportavam. Com o pedido do Pedro Paulo para que sócios levassem mel para o Concurso de Méis que ele vai fazer na próxima reunião da Ame-Rio sábado que vem, eu pensei, porque não ?
Como vcs podem ver, a cor é muito interessante e na foto que eu estou segurando , dá para perceber as diferenças das camadas do mel coletado ( tinha potes com mel claro e potes com mel amarelinho) , lógico que depois ficou tudo homogênio.
Estou ansioso para chegar o dia do julgamento, e ver as observações dos juízes.
Logo que eu coloquei a caixa no lugar, houve uma revoada das abelhas da caixa que tinha retirado o mel e a caixa Nº1, matriz do Projeto Meliponário Solidário ( na parte de baixo , com isopor ).
Não houve brigas, logo depois tudo voltou ao normal.












terça-feira, 29 de novembro de 2011

Reunião da Ame-Rio em Dezembro

No dia 10 de Dezembro realizaremos a reunião de confraternização e encerramento das atividades da Ame-Rio em 2011 , no Meliponário Escola em Guapimirim . Teremos a presença do professor Rogério Marcos de Oliveira, da Bahia que vai fazer duas palestras e será um dos juízes no Concurso Nacional de Méis ASF.
A programação prevista é:

Das 9.00 as 11.00 Concurso Nacional de Méis
Das 11 as 12,30 Primeira Palestra Do Dr. Rogério
Das 12,30 as 13,30  Almoço na Churrascaria
Das 13.30 as 14.30  Segunda Palestra do Dr. Rogério
Das 14.30 as 16.00  Palavras do Presidente e Diretoria :
Distribuição de Diplomas: Meliponicultor do ano e o Melhor Meliponário do Rio de Janeiro em 2011

Para o Concurso Nacional de Méis o associado  poderá  levar o mel das suas abelhas para ser julgado.

Esperamos o seu comparecimento.  

Carlos Ivan / Secretário




sábado, 12 de novembro de 2011

Encontro de Pesquisadores do Parque Nacional da Serra dos Órgãos - Teresópolis - RJ

Caros amigos amantes de nossas abelhinhas sem ferrão
escrevo para tentar estimular  a todos para a participação do encontro de pesquisadores do PARNASO, levando nosso tema do coração a um conhecimento mais amplo!
Conto com vocês e terei muito prazer em revê-los, em ação!
Abraços conservacionistas!!
Rita MM


Resumindo:
Prazo para envio de resumo/artigo: 18/11/11
Prazo para inscrição no encontro: 25/11/11


Programação do IX Encontro de Pesquisadores do PARNASO
01/12/2011
8:30 inscrições
9:00 abertura – Leandro Goulart, chefe do PARNASO
9:30 - 12:30 Mesa redonda: Desafios da pesquisa aplicada ao manejo e conservação da biodiversidade
Palestrantes: Gonçalo Ferraz (Smithsonian Tropical Research Institute/INPA)
                                   Fábio Scarano (Conservação Internacional)
            Mediação: Kátia Torres (Coordenação de Apoio à Pesquisa, ICMBio)
 
12:30 – 13:30 almoço
 
13:30 – 16:30 Mesa redonda: Conservação dos Campos de Altitude
            Palestrantes: Hugh Safford (US Forest Service, Universidade da Califórnia)
                                  Gustavo Martinelli (CNCFlora/JBRJ)
            Mediação: Henrique Rajão (PUC-RJ)
 
16:30 – 17:30  – Sessão de pôsteres
 
02/12/2011
 
9:00 – 9:30 Módulo Relatório do SISBIO – Cecilia Cronemberger (PARNASO)
9:30 – 10:00 Estudos ecológicos em dossel florestal: alguns exemplos no Parque Nacional da Serra dos Órgãos - Diogo Loretto (UFRJ)
10:00 – 10:30 Variação geográfica morfológica e vocal de Oreophylax moreirae (Aves: Passeriformes: Furnariidae) Odirlei Fonseca (UFRJ)
 
10:30 – 11:00 intervalo
 
11:00 – 11:30 O uso de amostradores passivos na detecção de contaminantes traço em campos de altitude – Rodrigo Ornelas Meire (UFRJ)
11:30 – 12:00  Liquens como indicadores de poluição atmosférica – Aguinaldo Nepomuceno Marques Junior (UFF)
12:00 – 12:30 Avaliação físico- química do topo do solo como base para discussão do processo de infiltração na porção leste do Parque Nacional da Serra dos Órgãos: Vales dos rios Paquequer e Soberbo – Carla Semiramis (UFF) 
 
12:30 – 13:30 almoço
 
14:00 – 17:00 Mesa Redonda – Ocupação humana do Vale do Bonfim: histórico, impactos e soluções
1-    Evolução da ocupação da bacia hidrográfica do Bonfim quanto ao uso e cobertura da Terra, sua compartimentação quanto ao relevo e análise histórica dos remanescentes florestais – Nirvana Ribeiro Veloso (UERJ)
2-    Modificações na Hidrologia dos Solos em Resposta as Alterações de Uso e Cobertura na Bacia Hidrográfica do Bonfim – Sarah Lawall (UFRJ)
3-    Proposta de Redelimitação do Parque Nacional da Serra dos Órgãos – Ana Elisa Bacellar Schittini (PARNASO)
Mediação: Marcus Gomes (PARNASO)
 
17:00 Encerramento


Para se inscrever, envie para o e-mail para pesquisa.parnaso@icmbio.gov.br com o assunto “Inscrição XIX Encontro de Pesquisadores”, com a ficha de inscrição abaixo preenchida, até o dia 25/11 (sexta-feira). Favor enviar uma ficha para cada participante, mesmo que sejam várias fichas no mesmo e-mail.
Na ficha de inscrição, preencha a opção de apresentação de trabalho, com o título, autores. No caso de apresentação de mais de um trabalho na forma de pôster, insira mais linhas no formulário para informar título e autores.
 
Nome
 
Instituição
 
E-mail
 
Titulo do projeto de que participa(ou)
 
Função no projeto
(   ) titular  (   ) colaborador  (   ) estagiário(a) (  ) outra. Qual?
Vai apresentar trabalho?
(   ) sim  (  ) não
Título do trabalho
 
Autores do trabalho
 
Tipo de apresentação
(   ) oral   (   ) pôster
Necessita de hospedagem (dia 01)?
(   ) sim (  ) não
 

No Parque encontramos as ASF em altitudes acima de dois mil metros, em profusão! Mas ainda não há nenhuma pesquisa específica sobre o tema.
Vamos provocar o tema?

O lugar é belíssimo!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Mensagem de Carinho

 O Presidente Pompílio junto com a sua diretoria!
No dia de sua posse

Mensagem de carinho,


Neste dia 11 de novembro de 2011, estaríamos comemorando mais um aniversário, na vida terrena, de nosso querido Pompílio Vieira de Souza.
Dirigimos, pois, o nosso pensamento a Deus, pedindo que o acompanhe sempre em seu novo lar, na Federação Celestial de Apicultores e Meliponicultores, lá onde se encontram os grandes e verdadeiros amigos das abelhas.

É o que desejam os amigos da AME-RIO.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Próxima Reunião da Ame-Rio

A próxima reunião da Ame-Rio será no dia 19 de Novembro, sábado  no horário de 9 às 13hs, na Escola Wenceslau Bello, na Av. Brasil nº 9727  na Penha.Nessa oportunidade, o vice-presidente Andreas Zoltan Dako assumirá a presidência , sucedendo o nosso querido Pompílio Vieira de Souza. Nossa programação prevé  ainda uma palestra da diretora Julia  Maria Villela Galheigo sobre pasto apícola e apresentação de fotos e comentários sobre o fórum  realizado nos dias 4 e 5  de Novembro em Resende.

sábado, 5 de novembro de 2011

TRANSFERÊNCIA EM COTIA (SP)




Hoje vou contar uma pequena experiência pela qual passamos em Cotia (SP) próximo a Embu das Artes.
Meu cunhado em visita ao Meliponário Escola do PPP, se apaixonou pelas ASF, e comprou um enxame em São Paulo mesmo.
Escolheu as Mandaçais MQQ por serem resistentes ao frio, visto que mora bem próximo a uma mata e com característica climática predominantemente fria.

A caixa chegou na casa dele já no começo do inveno que passou, era um enxame bem forte. A caixa, a princípio achei que fosse horizontal segmentada em duas seções (João/Maria), mas ..... eu não conheço o modelo da caixa em que vieram as abelhas.
O meu cunhado, no capricho, instalou a caixa no melhor local disponível, e conforme ele, mesmo no inverno trabalhavam muito e chegaram até a começar a formar a sua entrada característica.

Prometi ajuda a ele na primeira divisão, quando lhe ensinaria as técnicas necessárias para depois ele fazer sozinho. Chegado o dia prometido, na primavera, eu e família fomos para lá especialmente para ensinar e fazer a primeira divisão, mas qual não foi a surpresa.

Bom a caixa que seria usada na divisão é um modelo PPP, de vermiculita e cimento feita pelo Amigo IVAN. A intensão era dar um banho de verniz de própolis, mas não havia própolis preparado o suficiente para este banho.
Como a caixa ainda estava recém montada, chegando lá, demos um banho desse própolis mesmo dissolvido no álcool, mas como não tínhamos tempo e material para caprichar neste acabamento, resolvemos fazer uma decoração com papel de parede feito de cera de apis misturado com cera do próprio enxame, que preparamos na hora usando a técnica ensinada pelo sr. Walter da AME-Rio.
Fizemos folhas de cera e quando ainda quentes colamos na parede da Caixa de vermiculita do Ivan.
Era uma emergência .....


Caixa da divisão pronta, caixa de espera no local, e caixa mãe retirada para início dos trabalhos...

Quando abrimos a surpresa !!!



Olhem como era a caixa e como estavam os discos de cima !!!!
Achei que fosse caso perdido ....
Realmente este tipo de caixa não permite uma inspeção do enxame como um todo.
Não havia meio de saber o que havia, ou pior, se realmente ainda havia algo abaixo deste primeiro disco ...
O que fazer ?
A divisão virou transferência urgente para a caixa nova ...
Mas como começar ? Não havia espaço, não havia acessos, não havia o que fazer a não ser destruir a caixa velha para saber se ainda restava algo ou mesmo a Rainha neste enxame ...
Começamos ....

Desmembramos a caixa e ......

Além da complicada estrutura tivemos uma feliz surpresa quando finalmente conseguimos enxergar abaixo dos discos comprometidos ....
Discos novos e sadios e postura em atividade ... sinal da existência de uma Rainha forte !!!!

Bem ... não sabemos o que aconteceu exatamente para que houvesse uma postura tão defeituosa e comprometida .... Fome ? Frio ? os Dois ? Doença ou rainha fraca ? Bem isso deixo para a opinião dos mestres e mais experientes ..... O que importa que a postura indicava a existência de uma Rainha forte e bem disposta por perto ...

Agora ....

Tudo certo ... passamos o ninho para a caixa modelo PPP feita pelo Ivan ....

Cobrimos tudo com cera ... Achamos a Rainha escondida em um canto dentro da caixa velha e passamos a nobre cidadã para a nova moradia e a nova Casa foi para o local antigo ...


Muitos indivíduos ..... entraram para arrumar a casa nova .



Bem ... finalmente o final foi feliz ... a Divisão virou uma Transferência, mas o mais importante desta experiência é a constatação de que a Caixa modelo PPP realmente ajuda em muito uma inspeção, principalmente no que se refere a criações tipo hobbie como o do meu cunhado.

A caixa antiga não permitia nem uma inspeção nem mesmo uma divisão se realmente fosse a intensão.

Acredito que cada caixa tem o seu propósito .... e o modelo PPP realmente ajuda os principiantes ...

Agora testaremos a qualidade do isolamento da vermiculita .... pois em Cotia, o frio é bravo !!!!
Fui embora assim que a frente fria ameaçava chegar .... afinal sou carioca !!!


Para finalizar vou colocar dois pequenos vídeos ...
O primeiro mostra a quantidade de campeiras e a segunda uma vista geral da caixa ....


video


video

MEDINA