Todas as postagens desse blog, são de inteira responsabilidade do colaborador que a fez e refletem apenas a sua opinião.
Caso você tenha interesse em colaborar com esse Blog, por favor, envie uma mensagem para redator@ame-rio.org

segunda-feira, 1 de março de 2021

ABELHAS NOS PARQUES PARCEIROS

BEM VINDO!

VOCÊ DEVE TER CHEGADO AQUI POR MEIO DE UM QR-CODE, E DEVE ESTAR EM UM DOS MELIPONÁRIOS EM QUE A AME-RIO MANTÉM EM PARCEIRA.

ATUALMENTE VOCÊ VAI ENCONTRAR MELIPONÁRIOS MONTADOS EM UM DOS NOSSOS PARCEIROS:

PARQUE NACIONAL DA TIJUCA; BONDINHO DO PÃO DE AÇUCAR; PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO COM OS PARQUES BOSQUE DA BARRA, PARQUE CHICO MENDES, PARQUE DA PRAINHA, PARQUE MARAPENDI, PARQUE BOSQUE DA FREGUESIA, PARQUE DA CATACUMBA E ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO HUMAITÁ COM O PARQUE DO MARTELO.

NO RIO DE JANEIRO EXISTEM VÁRIAS ESPÉCIES DE ABELHAS NATIVAS, ENTRE ELAS AS LISTADAS ABAIXO :

  • Uruçu-Amarela (Melipona rufiventris mondury);
  • Guaraipo (Melipona bicolor);
  • Iraí (Nannotrigona testaceicornes);
  • Jataí (Tetragonisca angustula);
  • Jataí-da-Terra (Paratrigona subnuda);
  • Scaura (Scaura Latitarsis);
  • Mandaçaia (Melipona mandaçaia) MQQ e MQA;
  • Manduri (Melipona marginata);
  • Tubuna (Scaptotrigona bipunctata);
  • Tubiba (Scaptotrigona tubiba);
  • Mirim Droryana (Plebeia droryana);
  • Mirim-Guaçu (Plebeia remota);
  • Mirim-Preguiça (Friesella Schrottkyi);
  • Lambe-Olhos (Leurotrigona muelleri);
  • Borá (Tetragona clavipes);
  • Boca-de-Sapo (Partamona helleri);
  • Mandaguari Amarela ( Scaptotrigona xanthotricha)
  • Guiruçu (Schwarziana quadripunctata);
  • Tataíra (Oxytrigona tataira tataira);
  • Arapuá (Trigona spinipes) e
  • Abelha-Limão (Lestrimelitta limao)

NO ENTANTO APRESENTAREMOS AS CARACTERÍSTICAS DAS ABELHAS QUE PODEM SER ENCONTRADAS NOS MELIPONÁRIOS PARCEIROS.

---------------------

Nome científico: Tetragonisca angustula 

Família: Apidae Tribo: Trigonini 

Nome popular: Jataí.


 Localização: do México a Bolívia, no Brasil encontra-se em todos os estados.

Características: Abelha loirinha de olhos verdes. Abdômen predominantemente tubular e longo, bem mais fino do que o tórax. É uma abelha sem ferrão de pequeno porte (5mm). Os ninhos possuem cerca de 2.000 a 5.000 abelhas. Espécie bem adaptada e facilmente encontrada nos ambientes urbanos.

Os enxames são construídos em ocos de árvores na natureza, mas por ocuparem pouco espaço nos ambientes urbanos refugiam-se em muros de pedra, blocos de cimento ou tijolos vazados e caixas de medição de luz ou água.


A entrada da colmeia é um tubo de cerume de aproximadamente 1cm de diâmetro. É característica de enxames fortes a presença de abelhas guardas ou sentinelas voando próxima a entrada do ninho.

O alimento é armazenado em potes ovoides. O mel é de excelente qualidade, considerado por alguns como medicinal, podendo-se obter de 0,5 a 1,5 litros de mel/ano de colônias fortes. 

Estas abelhas podem ou não apresentar comportamento agressivo, que consiste em pequenas beliscadas na pele e enrolando-se nos cabelos.

É uma excelente polinizadora, os morangos quando polinizados por elas produzem frutos maiores, mais doces e de forma perfeita.

Curiosidades: Enxames podem atingir muitos anos no mesmo local, relatos de ninho com mais de 35 anos no mesmo local. Assim, podemos dizer que os ninhos são perenes, apesar das rainhas serem trocadas periodicamente.

---------------------

Nome científico: Nannotrigona testaceicornis 

Família: Apidae Tribo: Trigonini 

Nome popular: Iraí.


  Localização: encontrada principalmente em zonas tropicais: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo.

 Características: Abelha fácil de reconhecer por apresentar olhos verdes e antenas vermelhas, corpo preto com pilosidade grisalha e asas esfumaçadas. É uma abelha sem ferrão de pequeno porte (3 a 4mm). Os ninhos possuem cerca de 2.000 a 3.000 abelhas. Espécie bem adaptada e facilmente encontrada nos ambientes urbanos. Os discos de cria são quase sempre construído em formato espiral.

Os enxames são construídos em ocos de árvores na natureza, mas por ocuparem pouco espaço nos ambientes urbanos refugiam-se em muros de pedra, blocos de cimento ou tijolos vazados e caixas de medição de luz ou água.

A entrada da colméia é um tubo de cerume de aproximadamente 2 a 2,5 cm de diâmetro. É característica desta espécie apresentar uma colar de abelhas posicionadas  na borda do pito, olhando para fora. O pito é feito de cera fina e maleável e toda noite é fechado para impedir a entrada de inimigos. Condição que permite notar bem seus olhos verdes contrastando com as antenas vermelhas.

O alimento é armazenado em potes ovóides de aproximadamente 1,2 cm de diâmetro . O mel é geralmente doce, e não é aproveitado comercialmente. 

Estas abelhas são totalmente mansas e muito tímidas, se escondendo para dentro do enxame se algo se aproximar da entrada delas.

É uma excelente polinizadora, desde goiabeiras a morangos, quando polinizados por elas produzem frutos maiores, mais doces e de forma perfeita.

 Curiosidade: A origem do seu nome Iraí, como não poderia deixar de ser, vem do Tupi e significa (Ira: abelha, mel/ Y: rio). O “Rio do Mel”, o “Rio Doce”.

---------------------

Nome científico: Mandaçaia quadrifasciata anthidioides(MQA)

 Família: Apidae Tribo: Meliponini 

Nome popular: Mandaçaia


Localização: Apesar de controverso existem registros da Melípona quadrifasciata anthidiodes distribuídas em Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, no Espírito Santo, Goiás, Mato grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul.

Características: Abelha muito mansa de cabeça e tórax pretos, abdome com 4 faixas amarelas interrompidas no meio de cada segmento e asas ferrugíneas. É uma abelha sem ferrão de grande (10 a 11 mm). Os ninhos possuem cerca de 800 a 1200 abelhas. Espécie NÃO encontrada nos ambientes urbanos. Na natureza os ninhos são comumente encontrados nos ocos naturais das árvores acessados por um furo, de 1 a 3 metros acima da superfície do solo, que permite a passagem de apenas uma campeira por vez, envolto por uma estrutura composta por raios concêntricos, construído com geoprópolis, uma mistura de barro e resinas extraídas das plantas e incorporam argila. 

Já foram encontrados enxames em ninhos de saúva (Atta pp) e nos ninhos de João de Barro abandonados, no sudeste é comum encontrar nos ocos naturais do Pau Jacaré e no Ipê Branco Cinco Folhas.


Começam suas atividades de forrageamento de madrugada, com o raiar do sol, no meio do dia reduzem bastante essa atividade. O mel da mandaçaia muito palatável com excelentes características organolépticas e portanto muito apreciado. Consistência mais liquefeito devido ao alto teor de umidade, com baixa acidez e doçura discreta. Independente das flores visitadas o mel sempre apresenta o aroma e o sabor característicos da espécie. Quando criada racionalmente na sua região de origem e havendo uma boa florada, a produtividade do mel pode alcançar 1,5 a 2 litros/caixa/ano, que são armazenados pelas abelhas em potes ovóides com aproximadamente 25 ml de volume, encostados e empilhados entre si.

É uma excelente polinizadora, e imprescindível na polinização do bioma nativo, devido a sua grande capacidade de vibração abdominal durante a coleta de néctar e/ou pólen, essa característica garante a polinização das espécies nativas. E por isso são importantes em áreas de reflorestamento.

É uma abelha que apresenta um comportamento mais seletivo no forrageamento, procurando espécies mais específicas da flora nativa, por isso é também uma ótima bioindicadora quanto a saúde do bioma em que se encontra. Tem se tornado cada vez mais escassas de se encontrar devido a falta de flora para alimentação e de ocos naturais para nidificação.

Curiosidade: Mandaçaia é uma palavra indígena que significa “vigia bonito”, que deriva da possibilidade de se observar, no orifício de entrada da colméia, uma abelha sempre presente, com a função de proteger o ninho contra a entrada de invasores.

Ninhos fortes, quando incomodados, formam uma revoada de abelhas que tenta envolver o invasor, dando leves beliscadas, recolhendo-se tão logo se afaste.

----------

Nome científico: Melipona rufiventris mondory

 Família: Apidae Tribo: Meliponini 

Nome popular: Bugia - Uruçu Amarela

 

Localização: Existem pelo menos 10 tipos de abelhas pelo Brasil denominadas Uruçus Amarelas, devido a coloração predominantemente amarela.

As abelhas Meliponas mondory (Bugias) são encontradas no domínio morfoclimático Mata Atlântica nos estados da Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina, em florestas de umidade elevada e geralmente abaixo de 400 m de altitude.

Características: Abelha mansa, de cabeça e tórax ferrugíneo a amarelo intenso, com o corpo coberto de pelos amarelos dourados. É uma abelha sem ferrão bem grande (11 a 12 mm). Os ninhos possuem cerca de 3000 a 5000 abelhas. Espécie NÃO encontrada nos ambientes urbanos, e cada vez mais raras também em ambientes naturais.

Os ninhos são comumente encontrados nos ocos naturais das árvores acessados por um furo, localizado até 40 metros acima da superfície do solo, permitindo a passagem de apenas uma campeira por vez. A entrada é envolta por uma estrutura composta por raios concêntricos, construído com geoprópolis, uma mistura de barro e resinas geralmente avermelhada extraídas das plantas e incorporam argila.

Estudos já realizados mostraram a estreiteza da Bugia com a mata úmida, que apresenta as condições ideais para as abelhas construírem seus ninhos, além de encontrarem, em árvores de grande porte, espécies com floradas muito abundantes, que são seus principais recursos alimentares, bem como locais de morada e reprodução.

O mel de Bugia é muito saboroso por apresentar características organolépticas diferenciadas. Liquifeito, como de outras melíponas, devido ao alto teor de umidade, com baixa acidez e doçura variada. Bugias são altamente produtivas, e quando criadas racionalmente na sua região de origem e havendo uma boa florada, a produtividade do mel pode alcançar 5 a 10 litros/caixa/ano, em épocas favoráveis, embora a média seja de 2,5 a 4 litros/ano/colônia. O mel é armazenado pelas abelhas em potes ovóides com aproximadamente 4 a 5 cm de altura e até 50 ml de volume, encostados e empilhados entre si.


Seu comportamento no forrageamento é mais generalista, tendo um ótimo desempenho na polinização e nos serviços ambientais primários, bem como em plantações comerciais. Vive em fragmentos florestais bem preservados sendo a principal polinizadora da Mata Atlântica, mas tem se tornado cada vez mais escassas de se encontrar devido a falta de flora para alimentação e de ocos naturais para nidificação.  Em Santa Catarina foi incluída como espécie vulnerável no livro vermelho de espécies ameaçadas.

 Curiosidade: Uruçu é uma palavra que vem do tupi “eiru su”, que nessa língua indígena significa “abelha grande”.

 ------------------

PARA SUA GARANTIA E PARA A CONSERVAÇÃO DAS ABELHAS NATIVAS.

MONTE ISCAS PETs EM LOCAIS AUTORIZADOS.

OU

COMPRE ABELHA APENAS DE MELIPONICULTORES ESPECIALIZADOS EM DESDOBRAS.

NÃO INCENTIVE O COMÉRCIO EXTRATIVISTA.

domingo, 9 de agosto de 2020

Taxonomia de Abelhas para Iniciantes | AME-RIO

Palestra online que ocorreu dia 08/08/2020 às 20 horas.
Tema "Taxonomia de Abelhas para Iniciantes"
Palestrante dra. Favízia Freitas


Link para a palestra:

Guia ilustrado das abelhas "Sem Ferrão" das reservas Amanã e Mamirauá, Amazonas, Brasil (Hymenoptera, Apidae, Meliponini):

Livro "Abelhas Brasileiras: Sistemática e Identificação" de Fernando Silveira:

▪️ Instagram: @amerio_abelhas
▪️ Facebook: AME-RIO Abelhas Indígenas
▪️ Blog: www.ame-rio.org
▪️ E-mail: redator@ame-rio.org


terça-feira, 4 de agosto de 2020

Mesa-Redonda. Mel Nativo: Agregando Valores | AME-RIO

Mesa-redonda online que ocorreu dia 01/08/2020 às 18 horas.
Tema "Mel Nativo: Agregando Valores"
Palestrante Eugênio Basile, empresa mel MBEE, e Dr. Rogério Marcos Alves



Link para a palestra:

▪️ Instagram: @amerio_abelhas
▪️ Facebook: AME-RIO Abelhas Indígenas
▪️ Blog: www.ame-rio.org
▪️ E-mail: redator@ame-rio.org

A Química da Abelha Limão | AME-RIO

Palestra online que ocorreu dia 18/07/2020 às 18 horas.
Tema "A Química da Abelha Limão"
Palestrante Dr. Lucas von Zuben



Link para a palestra:

Link para a tese do Dr. Zuben mencionada durante a palestra:


▪️ Instagram: @amerio_abelhas
▪️ Facebook: AME-RIO Abelhas Indígenas
▪️ Blog: www.ame-rio.org
▪️ E-mail: redator@ame-rio.org

segunda-feira, 27 de julho de 2020

A Diversidade da Meliponicultura no Brasil | AME-RIO


Palestra online que ocorreu dia 25/07/2020 às 18 horas.
Tema "A Diversidade da Meliponicultura no Brasil"
Palestrante Me. Jerônimo Villas-Bôas



Para assistir, clique no link abaixo:

Livro "Manual Tecnológico Mel de Abelhas sem Ferrão" de Jerônimo Villas-Bôas:

Livro "Manual de aproveitamento integral dos produtos das abelhas nativas sem ferrão" de Jerônimo Villas-Bôas:


▪️ Instagram: @amerio_abelhas ▪️ Facebook: AME-RIO Abelhas Indígenas ▪️ Blog: www.ame-rio.org ▪️ E-mail: redator@ame-rio.org

terça-feira, 26 de maio de 2020

BUIRA DE UMA GUIRUÇU

Buira no vocabulário Tupy significa ninho que certas abelhas fazem no chão.

Vou postar a seguir a história do resgate de uma Guiruçu. 
A história começa em Paty do Alferes, cidade serrana do Rio de Janeiro.

Um apicultor e amante de abelhas da região, que conhecia meu contato com abelhas sem ferrão, me procurou para repassar 3 enxames de abelhas sem ferrão que ele havia resgatado. Ele se dedica apenas às APIS, mas não queria ver morrer as abelhas que ele conseguiu resgatar de situações extremas.

Uma delas, foi resgatada de um terreno que sofreu uma terraplanagem. Abelha de abdómen amarelo e muito mansa. 


ATALHO => Caixa de Papelão

E por ser uma abelha de chão precisava de todo um cuidado especial no manejo, pois as caixas de madeira não dão o conforto térmico que elas requerem. Qualquer erro, e o enxame salvo poderia se perder ao longo do tempo.

Pensei em alguém com experiência em abelhas de chão e me veio a mente logo o nosso associado Wagner Torres. Liguei e perguntei se ele topava ficar com ela e tentar salvar o que restava do ninho, que já definhava em uma caixa de papelão.

Olhem o estado dramático em que ela se encontrava dentro da caixa:



Empreitada aceita, iniciou então a operação "Salva Guiruçu". E lá fomos nós de Paty do Alferes direto para Itaípu, 150Km e 2:30hs de viagem.

Enquanto dirigia, meu amigo já pesquisava na internet como fazer uma caixa ideal para Guiruçu. 
E quando cheguei, ele já havia achado um vídeo sobre o assunto, bem como já havia providenciado um vaso de barro para iniciar a transferência.


No vídeo que Wagner achou (atalho abaixo) o meliponicultor Pizzato comentava algumas dicas importantes, como por exemplo: esse tipo de abelha precisa ter contato direto com o barro vermelho, nem que seja apenas um pouco, senão definham. 


Entrega feita só à noite, Wagner Torres protegeu a caixa de papelão, e deixou as abelhas se aclimatarem no novo local, onde ficaria a nova caixa que construiria. 
As bichinhas sofriam, pois na semana seguinte o tempo mudou  para chuvas atípicas. Mas o cabra foi rígido e não pulou nenhuma etapa do ciclo de adaptação.

Lembro das dificuldades pelas quais ele passou.  Um dia quando liguei para saber como estava indo a construção do novo ninho, me disse estar com dificuldade de encontrar barro vermelho em Itaipu, para colocar entre a o vaso externo e o vaso interno. Já havia rodado varias casas de construção e nada. O terreno em Itaipu é predominantemente arenoso. 

Abaixo algumas imagens da construção:

O fundo do vaso externo ganhou argila expandida para absorver alguma umidade que venha a ocorrer, evitando de passar ao vaso interno. 


Por cima da argila expandida vem a argila vermelha. O detalhe importante:  o vaso interno tem que ter um furo no fundo para que as Guiruçus tenham contato direto com essa terra. É importante para elas.




A montagem da entrada é importante, pois o tubo que leva do exterior ao interior tem que ter um trecho de barro também. 




  
O tubo de entrada é um pedaço de PVC dobrado à quente



Nessa imagem dá para ver bem como ficou o orifício de entrada do vaso interno em relação ao vaso externo.


Após algumas modificações do projeto ensinado no vídeo, a caixa recebe o acabamanto superior.


No final a caixa ficou assim:




Para não perderem o caminho de casa, Wagner colocou a entrada da caixa de papelão pela frente da nova entrada. Só para garantir que todas voltariam para casa depois da mudança!


Feita a transferência, e já aclimatadas no local definitivo, não foi difícil se acostumarem com a nova casa, mais aconchegante.

A seguir mais alguns vídeos de como essas lindas abelhas se adaptaram tão bem ao nova casa em Itaipu. Com certeza os cuidados e dedicação do Wagner Torres foram imprescindíveis para o sucesso da operação.

Esse cabra vai ser o representante da AME-RIO na próxima parceria de meliponário a ser firmada no Horto de Niterói, junto aos escoteiros.

Antes que venham as perguntas, todos pensamos ser a Guiruçu schwarziana quadripunctata. Mas em uma consulta feita ao amigo Marco Abelha, parece que não foi confirmada como quadripunctata. 


Vamos aos vídeos:






ATALHO => RAINHA GUIRUÇU


Medina





 

segunda-feira, 16 de março de 2020

Ação Amigos da Mallu Vitoria (neta da Gleide)



Esta Ação Entre Amigos desenvolvida pela AME-ES - Associação de Meliponicultores do Estado do Espírito Santo, é para ajudar a custear os gastos da nossa associada Gleide frente ao tratamento fisioterapêutico em sua netinha, (Netinha que foi adotada pela AME-ES) que nasceu com uma deficiência neurológica, que não ativou a musculatura que permite engolir, o que  consequentemente a faz necessitar que sua alimentação seja feita via sonda abdominal e somente líquida. (basicamente de leite).

Mallu necessita de 3 (três) sessões de fisioterapias por semana, cujo valor é de R$160,00 (Cento e sessenta reais) cada, e o tratamento deve durar pelo menos por um ano. Acreditamos que essa Ação irá ajudá-la, até que o atendimento pelo SUS seja iniciado.

Assim idealizamos essa ação de forma aberta, e sem limites de participações, ou seja, cada pessoa pode adquirir quantos número quiser e cada número concorrerá a todos os prêmios sorteados.

Estamos definindo a data de 04 de Abril de 2020 (Sábado) para realizarmos o sorteio, data em que esperamos que todos possam participar e terem tempo para realizarem os depósitos bem como realizarem a conferência de seus dados na planilha Google e consequentemente seus nrs de sorteio.

Custo do Bilhete: R$ 15,00 (quinze reais) e os depósitos deverão ser realizados via Caixa Econômica Federal, ou nas Lotéricas para Adriana Pessotti Bastos - Banco 104 - Agência 0168 Operação 013 Conta Poupança 15.728 - Dígito 3 - CPF 826.916.657-04 ou através do PIC PAY, @adrianapessottibastos

Prazo máximo para confirmação do pagamento: 02/04/2020. Para que todos os adquirentes tenham tempo para consultar seus dados na planilha no Google Drive, que lhes será dado acesso, conhecer seus nrs da sorte, conferi-los e solicitar alterações e ou retificações que forem necessárias.

Fica estabelecido que o nr que será atribuído a cada um dos compradores dos bilhetes, serão na ordem sequencial ao recebimento da confirmação do pedido de reserva ou pagamento do bilhete, o que for primeiro.

Os Sorteios serão realizados de forma Online na Página da AME-ES no dia 04 de Abril de 2020, ou pelos sites de sorteios Online e devidamente filmados e o link deste ficará disponível para ser acessado para os interessados na Página do FACEBOK da AME-ES.

Está assim agora a lista das premiações mas pode aumentar, afinal doações são bem vindas

PRÉMIOS
Primeiro Prémio                                             Dois Enxames de Uruçu Amarelas                                                                                    Doação de Gleide
Segundo Prémio                                            Dois Enxames de Uruçu Amarelas                                                                                    Doação de Gleide
Terceiro Prémio                                             Um Enxame de Uruçu Amarela                                                                                          Doação de Júlio Barbosa
Quarto Prémio                                               Um Enxame de Uruçu Amarela                                                                                          Doação de André
Quinto Prémio                                               Um Enxame de Uruçu Amarela                                                                                          Doação de Germano e Neti
Sexto Prêmio                                                 Um Enxame de Mandaçaia                                                                                                Doação de Adriana
Sétimo Prêmio                                               Um Enxame de Mandaçaia                                                                                                Doação de João Luiz
Oitavo Prêmio                                                Um Enxame de Jataí                                                                                                          Doação de Adailton
Nono Prêmio                                                  Um Enxame de Jataí                                                                                                          Doação de Gleide
Décimo Prêmio                                              Um Enxame de Mirim                                                                                                         Doação de Gleide
Décimo Primeiro Prêmio                               Um Enxame de Mirim Guerreira (Pugnax)                                                                         Doação de Adailton
Décimo Segundo Prêmio                              Um Enxame de Tubuna na Isca de 5 lts                                                                             Doação do Charlis
Décimo Terceiro Prêmio                                Uma Mandaçaia na Isca                                                                                                    Doação de Dornélio
Décimo Quarto Prêmio                                  Uma Jatai da Isca de 2 Lts                                                                                                 Doação de Romulo
Décimo Quinto Prêmio                                  Uma Caixa para Mandaçaia                                                                                               Doação de Tânia Maria
Décimo Sexto Prêmio                                    Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Décimo Sétimo Prêmio                                  Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Décimo Oitavo Prêmio                                   Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Décimo Nono Prêmio                                     Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo Prêmio                                            Um Livro "Abelhas sem Ferrão do Brasil! de Marilda Cortopassi                                     Doação de Maria Helena
Vigésimo Primeiro Prêmio                            Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo segundo Prémio                            Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo Terceiro Prêmio                             Um Enxame de Mirim e uma Caixa para Amarela                                                            Doação de Robson
Vigésimo Quarto Prémio                               Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo Quinto Prémio                               Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo Sexto Prémio                                 Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo Sétimo Prémio                               Três Kits Capilar MARCA HA Ana Hickmann                                                                    Doação de Milton Araújo Junior
Vigésimo Oitavo Prémio                                Um Livro de Romance "A mãe" de Máximo Gorki                                                            Doação de Maria Helena
Vigésimo Nono Prémio                                  Uma Caixa para Jatai                                                                                                       Doação de Adailton
Trigêssimo Prêmio                                         Uma Caixa para Mandaçaia Estilizada                                                                             Doação da RPPN Reluz
Trigéssimo Primeiro Prêmio                         Um Livro Cóloquio das Árvores Escritora Renata Bonfim                                                 Doação da RPPN Reluz
Trigéssimo Segundo Prêmio                        Uma Eco Bag Bordada a Mão                                                                                           Doação da RPPN Reluz
Trigéssimo Terceiro Prêmio                          Um Kit para banho com velas aromáticas                                                                        Doação da RPPN Reluz
Trigésimo Quarto Prêmio                                 UM Kit para Manejo de ASFs                                                                                           Doação de Ivana
Trigésimo Quinto Prêmio                              Uma Uruçu Amarela                                                                                                         Doação de Natalino Calimam
Trigésimo Sexto Prêmio                                Uma Mirim                                                                                                                        Doação de Giovani Belmock
Trigésimo Sétimo Prêmio                              Uma Tubuna na caixa                                                                                                      Doação de Jean Felipe Moreira
Trigésimo Oitavo Prêmio                               Um Chinelo c/ Logo da AME-ES e Um Chapéu Manejo ASF                                         Doação de Luciana Souza
Trigésimo Nono Prêmio                                 Um Chinelo c/ Logo da AME-ES e Um Chapéu Manejo ASF                                         Doação de Luciana Souza
Quadragésimo Prêmio                                   Um Chinelo c/ Logo da AME-ES e Um Chapéu Manejo ASF                                         Doação de Luciana Souza
Quadragésimo Primeiro Prêmio                    Uma Caixa Decorativa para Jatai                                                                                   Doação de Adriana Baldi
Quadragésimo Segundo Prêmio                   Uma Mandaçaia                                                                                                             Doação de Carlo Flavio/BH
Quadragésimo Terceiro Prêmio                    Uma garrafa de cachaça Puro Malte "Pouso Alegre"                                                     Doação de Geraldo Mageja
Quadragésimo Quarto Prêmio                      Um Enxame de Irai                                                                                                         Doação de Saulo Nepomuceno
Quadragésimo Quinto Prêmio                      Um Enxame de Mirim                                                                                                     Doação de Zezé Ferrari
Quadragésimo Sexo Prêmio                         Um Enxame de Jatai                                                                                                      Doação de Ailton Pinheiro
Quadragésimo Sétimo Prêmio                      Cinco mudas de Pitaya                                                                                                  Doação de Claudionor Gagno
Quadragésimo Oitavo Prêmio                       Cinco mudas de Pitaya                                                                                                 Doação de Claudionor Gagno
Quadragésimo Nono Prêmio                         Um enxame de Mirim                                                                                                    Doação de João Luiz T Santos


Organização AME ES.

Enxameie esta Ação!

sexta-feira, 13 de março de 2020

AME-RIO AJUDANDO PARCEIROS

O associado AME-RIO, André Brito, proprietário do meliponário BeePoint no Saco do Céu em Ilha Grande (RJ), firma parceria com o IMAAR-Instituto Municipal do Ambiente de Angra dos Reis.
 
A parceria visa o incentivo a atividades de criação de abelhas nativas sem ferrão no Município de Angra dos Reis, e prevê o acesso às dependências de todas as instituições de ensino e pesquisa do município, seus alunos e professores para fins de educação ambiental e apoio a pesquisas. 
Para auxiliar nesse compromisso, a AME-RIO permitiu a utilização do Gibi “As Abelhas Amigas”, criado pela associação para fins de educação ambiental com crianças. E Angra do Reis já providenciou a impressão inicial de 2000 unidades.

O acordo também já resultou na entrega de 100 caixas ao Meliponário Beepoint  para disseminação da criação de abelhas nativas sem ferrão entre moradores da Ilha, com o apoio do Fundo Municipal do Meio Ambiente (FMMA) de Angra.
Todos acreditamos na meliponicultura como ferramenta de educação ambiental e geração de renda sustentável. Uma alternativa sadia para Ilha Grande e região, agregando-se ao turismo e à pesca artesanal já existentes.