Todas as postagens desse blog, são de inteira responsabilidade do colaborador que a fez e refletem apenas a sua opinião.
Caso você tenha interesse em colaborar com esse Blog, por favor, envie uma mensagem para redator@ame-rio.org

domingo, 24 de junho de 2012

Inspeção da Diretora Júlia na Floresta da Tijuca


Neste fim de semana a Júlia, uma das diretoras da AME-RIO, nos acompanhou em um passeio pelo parque Nacional da Tijuca. Fui oferecer um incremento na alimentação das abelhas, afinal acabamos de entrar no inverno e as meninas ainda estão se aclimatando ao novo ambiente.

 

video

Logo que chegamos percebemos a nova placa bilingue que a administração do parque providenciou com capricho.


Notamos que a placa está sendo bem utilizada, pois o parque principalmente neste período de Rio+20 , é muito visitado por estrangeiros.


O Alberto, funcionário do parque nos ajudou a identificar uma árvore em floração sobre o meliponário: um pé de Lafoensia glyptocarpa ou merindiba. Descobrimos que a árvore de flores são brancas, com longos estames, desabrocham à tardinha, produzem muito néctar, que chega a escorrer, e duram apenas por uma noite. Mas os principais polinizadores são os morcegos.


A Júlia ajudou a identificar algumas espécies vegetais próximas ao caminho do meliponário. Como por exemplo a espécie abaixo que ela acha ser Myrtaceae Myrcia - Guamirim.




Havia também um Araribá com umas trigonas coletando resina.

 

Paulatinamente o projeto vai ganhando novos acessórios. Como os dois banners manufaturados pela AME-RIO para o projeto. Um deles foca sobre a importância das abelhas sem ferrão para a polinização da flora nativa e outro apresenta um resumo das abelhas trigonas e meliponas. Outros parques também irão ganhar seus banners a seu tempo.

  



Como todos os outros associados que visitaram o parque Nacional da Tijuca, a Júlia também auxiliou com informações alguns visitantes curiosos. E assim esperamos que a informação sobre as abelhas sem ferrão vá sendo disseminada.


Mas infelizmente nem tudo é alegria. Também nesta visita com dia de sol pleno pudemos fazer uma vistoria na caixa de iraí cedida pelo associado Gesimar, e constatamos uma perda. A Júlia descobriu os discos todos com mofo. Não temos ainda certeza se foi a localização da caixa em um local muito úmido, ou outro fator como altitude, ou mesmo falta e uma aclimatação mais paulatina ao clima do novo habitat.

 

Já fora do parque, a Júlia ainda identificou mais algumas plantas como o cipó uva e a framboesa, ela ainda comentou que esta última estava uma delícia.

 


Framboeza - (Rubus idaeus) - deliciosa !!! 

E é só isso !!!

Medina

2 comentários:

  1. Vamos ver se um enxame mais forte de irais fica melhor, não creio que a altitude seja significativa nesse caso, enfim...
    Gesimar

    ResponderExcluir
  2. Uma pequena correção, não é amora, é framboesa (Morus idaeus); e o galho com as florzinhas brancas me parece o fruto do sabiá (Acnitus arborescens).
    Quanto ao suposto guamirim, ainda não tenho certeza; tudo indica ser uma myrtacea e se for é um guamirim mas ainda não sei dizer a espécie. Estou pesquisando. Júlia

    ResponderExcluir