Todas as postagens desse blog, são de inteira responsabilidade do colaborador que a fez e refletem apenas a sua opinião.
Caso você tenha interesse em colaborar com esse Blog, por favor, envie uma mensagem para redator@ame-rio.org

terça-feira, 26 de maio de 2020

BUIRA DE UMA GUIRUÇU

Buira no vocabulário Tupy significa ninho que certas abelhas fazem no chão.

Vou postar a seguir a história do resgate de uma Guiruçu. 
A história começa em Paty do Alferes, cidade serrana do Rio de Janeiro.

Um apicultor e amante de abelhas da região, que conhecia meu contato com abelhas sem ferrão, me procurou para repassar 3 enxames de abelhas sem ferrão que ele havia resgatado. Ele se dedica apenas às APIS, mas não queria ver morrer as abelhas que ele conseguiu resgatar de situações extremas.

Uma delas, foi resgatada de um terreno que sofreu uma terraplanagem. Abelha de abdómen amarelo e muito mansa. 


ATALHO => Caixa de Papelão

E por ser uma abelha de chão precisava de todo um cuidado especial no manejo, pois as caixas de madeira não dão o conforto térmico que elas requerem. Qualquer erro, e o enxame salvo poderia se perder ao longo do tempo.

Pensei em alguém com experiência em abelhas de chão e me veio a mente logo o nosso associado Wagner Torres. Liguei e perguntei se ele topava ficar com ela e tentar salvar o que restava do ninho, que já definhava em uma caixa de papelão.

Olhem o estado dramático em que ela se encontrava dentro da caixa:


Empreitada aceita, iniciou então a operação "Salva Guiruçu". E lá fomos nós de Paty do Alferes direto para Itaípu, 150Km e 2:30hs de viagem.

Enquanto dirigia, meu amigo já pesquisava na internet como fazer uma caixa ideal para Guiruçu. 
E quando cheguei, ele já havia achado um vídeo sobre o assunto, bem como já havia providenciado um vaso de barro para iniciar a transferência.


No vídeo que Wagner achou (atalho abaixo) o meliponicultor Pizzato comentava algumas dicas importantes, como por exemplo: esse tipo de abelha precisa ter contato direto com o barro vermelho, nem que seja apenas um pouco, senão definham. 


Entrega feita só à noite, Wagner Torres protegeu a caixa de papelão, e deixou as abelhas se aclimatarem no novo local, onde ficaria a nova caixa que construiria. 
As bichinhas sofriam, pois na semana seguinte o tempo mudou  para chuvas atípicas. Mas o cabra foi rígido e não pulou nenhuma etapa do ciclo de adaptação.

Lembro das dificuldades pelas quais ele passou.  Um dia quando liguei para saber como estava indo a construção do novo ninho, me disse estar com dificuldade de encontrar barro vermelho em Itaipu, para colocar entre a o vaso externo e o vaso interno. Já havia rodado varias casas de construção e nada. O terreno em Itaipu é predominantemente arenoso. 

Abaixo algumas imagens da construção:

O fundo do vaso externo ganhou argila expandida para absorver alguma umidade que venha a ocorrer, evitando de passar ao vaso interno. 


Por cima da argila expandida vem a argila vermelha. O detalhe importante:  o vaso interno tem que ter um furo no fundo para que as Guiruçus tenham contato direto com essa terra. É importante para elas.




A montagem da entrada é importante, pois o tubo que leva do exterior ao interior tem que ter um trecho de barro também. 




  
O tubo de entrada é um pedaço de PVC dobrado à quente



Nessa imagem dá para ver bem como ficou o orifício de entrada do vaso interno em relação ao vaso externo.


Após algumas modificações do projeto ensinado no vídeo, a caixa recebe o acabamanto superior.


No final a caixa ficou assim:




Para não perderem o caminho de casa, Wagner colocou a entrada da caixa de papelão pela frente da nova entrada. Só para garantir que todas voltariam para casa depois da mudança!


Feita a transferência, e já aclimatadas no local definitivo, não foi difícil se acostumarem com a nova casa, mais aconchegante.

A seguir mais alguns vídeos de como essas lindas abelhas se adaptaram tão bem ao nova casa em Itaipu. Com certeza os cuidados e dedicação do Wagner Torres foram imprescindíveis para o sucesso da operação.

Esse cabra vai ser o representante da AME-RIO na próxima parceria de meliponário a ser firmada no Horto de Niterói, junto aos escoteiros.

Antes que venham as perguntas, todos pensamos ser a Guiruçu schwarziana quadripunctata. Mas em uma consulta feita ao amigo Marco Abelha, parece que não foi confirmada como quadripunctata. 


Vamos aos vídeos:






ATALHO => RAINHA GUIRUÇU


Medina





 

Nenhum comentário:

Postar um comentário